mushin no shin

Posted by Graciliano Santos | Posted in ,

0


Uma das sensações que guardo com maior prazer é a de poder parar um pouco para descansar no meio de um dia pesado de trabalho na floresta. Tomar uns bons goles de água gelada para aliviar o calor, ficar em silêncio sem prestar atenção em nada específico e saber que ainda tem muito trabalho pela frente. Era uma ótima combinação da leveza do descanso e a tranquilidade de que estava fazendo o que precisava ser feito.

Esses dias essa sensação me revisitou, mesmo nessa rotina frenética e cansativa da vida urbana. Muito bom poder me sentir naquele momento bem simples e introspectivo novamente, me fez avaliar e compreender mais claramente aonde estou descansando nesse eterno dia de trabalho e tudo que venho fazendo nesse percurso. E nesses transes espaçados e bem contemplativos, compreendi um pouco melhor as atuais conseqüências de minhas escolhas, ficando muito feliz por me encontrar aonde estou.

Sei que existem muitas formas de passar por algo semelhante a isso, mas recomendo fortemente uma caminhada na floresta num dia bem ensolarado, com uma bela pausa perto de um igarapé bem gelado pra descansar os pés e molhar o rosto antes de continuar, é uma experiência ímpar.

Parabéns Mada

Posted by Graciliano Santos | Posted in

2


Muitas ideias
Muitos sentimentos
Diversos começos
Várias métricas
Para expressar
Tentar exprimir
Algo tão direto
E tão claro
Que é o amor
Que sinto por ti
E a alegria
Por estares
Ao meu lado

Minha parceira,
Minha família.

Feliz aniversário Giordana,
Te amo além

Lapidação

Posted by Graciliano Santos | Posted in ,

0


Peço leveza
E clareza
Para lidar
Com os pesos
Do coração
Que a mente
Nem sempre tem tempo (ou sabedoria)
Para resolver

0


Em um momento, num segundo
Me vi pai para sempre
Como se nunca, na verdade
O tivesse deixado de ser
E de nada valeram
Todos os avisos e instruções
Sobre fraldas e insônias
Nada é ruim como se pinta
Só é preciso atenção
E paciência para aprender
E aceitar tomar lição
De alguém que acabou de nascer


Bons ventos familiares

Posted by Graciliano Santos | Posted in

0


Quando o cotidiano
É uma batalha diária
É vestir a armadura
Todo dia ao sair do lar
E lutar com toda gana
Por guerras e ideais
Que já deixei de acreditar

Visitas alegres e gentis
Me trazem boas lembranças
Da beleza tão amorosa
Do mundo que existe lá fora
Beleza tal que só enxergava
Nos sorrisos e carinhos
Das duas belas mulheres
Que me acolhem ao anoitecer