Feliz Velho Ano Novo

Posted by Graciliano Santos | Posted in

1


E quando as festas terminarem, as férias terminarem e todo o mesmo cotidiano vier sufocando 2012? O que será novo além das velhas mesmas situações de sempre?

Não existem anos novos em nossos ciclos tão retrógrados, existem novas formas de lidar com tudo. Claro, boas novidades surgirão para nos lembrar de como as coisas do mundo na verdade são muito legais, assim como algumas quedas feias para engolirmos seco nosso orgulho e assumirmos que não vimos a pedra (tão evidente) no caminho. 

Os novos anos não são feitos só de novos dias, mas de novas posturas e novos exercícios de perspectiva de como enxergamos o mundo e as pessoas. Sem parar pra pensar no que fazer ou no que pensar, não haverão novidades nunca.

Desejo para todos um ano cheio de boas reflexões sobre o que fazemos e resoluções que tragam paz e amor para nós e para todos que nos rodeiam.

À distância de um beijo

Posted by Graciliano Santos | Posted in

1


Eu temo por mim mesmo
Quando o meu ser mais primitivo
Arde e me toma de desejo
E temo ainda mais
Quando em momentos racionais
Vejo razão em nosso ensejo

Fas te fûde

Posted by Graciliano Santos

1


Essa mistura maldita
De massa, queijo e sal (muito sal)
Que engulo diariamente
Por preguiça e outros pecados
Incita meu inferno interno
Dantesco penar estomacal
Sentindo o ácido corroer
Cada célula dissolver
Em redemoinhos e erupções
Antiperistaltismos de lava
Que escalam meu esôfago
Cravando suas garras de fogo
Me causando agonia eterna
Que dura o infinito instante
De um anti-ácido me socorrer

Fast food é do capeta.